Dia Nacional da Luta Contra a Violência à mulher: qual o papel das empresas nesse combate?

Por: Consolidar Diversidade

O Ministério da Saúde registra que, no Brasil, a cada quatro minutos, uma mulher é agredida por ao menos um homem e sobrevive. Apenas em 2018, foram registrados mais de 145 mil casos de violência – física, sexual, psicológica e outras – em que as vítimas sobreviveram. No dia em que se marca a Luta Nacional Contra a Violência à Mulher, levantamos o papel das empresas e instituições na prevenção e apoio às vítimas.

Já há algum tempo que a luta pela equidade de gênero e o fim do assédio nas corporações vêm sendo discutido. Entretanto, torna-se cada vez mais necessário um compromisso efetivo de que empresas incluam em seus programas de ética e compliance medidas para combater a violência contra a mulher também fora do ambiente de trabalho. Isso só é possível por meio da construção de uma forte rede de apoio, que envolva, além da organização – representada pelo segundo setor – o primeiro e o terceiro setor, bem como, governos e instituições públicas e privadas.

Por mais que essa questão possa, em um primeiro momento, parecer distante do mundo corporativo, os dados sobre feminicídio e violência acarretam graves consequências também na economia. Segundo pesquisas da Universidade Federal do Ceará e do Instituto Maria da Penha, as vítimas perdem, em média, 18 dias de trabalho por ano em consequência direta de agressões sofridas, acarretando menor estabilidade, menos tempo de permanência em seus cargos e menor produtividade. De acordo com dados do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento, entre as mulheres, uma em cada cinco faltas ao trabalho no mundo é motivada por agressões domésticas.

Não são necessárias grandes estruturas para iniciar um programa de acolhimento às vítimas. A utilização de canais de comunicação já existentes em programas de Ética, Diversidade e Inclusão pode também servir de estímulo às mulheres para denunciar a agressão sofrida fora da empresa. Além disso, a organização pode oferecer processos de educação, orientação jurídica, treinamento com técnicas de prevenção à integridade física e acompanhamento psicológico às vítimas.

Por meio de processos de educação e das temáticas relacionadas aos diversos Grupos de Afinidade, a Consolidar Diversidade pode contribuir com a sua empresa em prol da Equidade de Gênero. Entre em contato conosco e conheça mais sobre nosso trabalho!


Categorias desse artigo:
Diversidade e InclusãoDiversidade e InclusãoFique por DentroMulheres