Adolescente brasileira com Síndrome de Down é influenciadora e modelo de sucesso aos 15 anos

Por: Lincoln Tavares de Melo

A brasileira Georgia Furlan trabalha para cinco agências de modelos e viu sua fama chegar ao exterior

Você conhece Georgia Furlan Traebert? Trata-se de uma modelo adolescente brasileira que já acumula legiões de fãs nas redes sociais e ganhou status de influenciadora. Georgia tem Síndrome de Down e enfrentou graves problemas de saúde na infância, além de superar muitos preconceitos.

Com apenas 15 anos de idade, a catarinense já fez trabalhos para importantes marcas de roupas e joias, e ajuda a mostrar que pessoas com Down são tão capazes de chegar ao sucesso quanto outras.

O sucesso começou há cerca de três anos quando a mãe de Georgia, Rubia Traebert, postou no Facebook algumas fotos junto filha com mensagens motivacionais. As imagens viralizaram e a família e Georgia concordaram em apostar que ela poderia se tornar uma influenciadora nas redes.

Isso depois de algumas dificuldades: Georgia foi diagnosticada ainda bebê com uma rara doença cardíaca e passou por uma delicada cirurgia com apenas cinco meses de idade. Mais tarde, teve de trocar de escola diversas vezes pelas dificuldades de socialização com outras crianças.

A resposta da mãe aos obstáculos foi incentivar a garota a desenvolver talentos que a ajudassem a ganhar autoestima e confiança. “Dançamos, cantamos e brincamos muito em casa”, conta Rubia, em entrevista ao jornal inglês The Sun – uma das várias que ela e Georgia deram depois que o sucesso se tornou internacional.

Hoje, a adolescente pode comemorar por trabalhar como modelo fotográfica para cinco diferentes agências, e ser convidada para parcerias e posts pagos nas redes sociais. As marcas Gang, de vestuário, e Andrea Conti, de joias de alto padrão, foram algumas das marcas que já contrataram seus serviços. Seu perfil no Instagram tem mais de 65 mil seguidores.

Hoje, conta a mãe, Georgia já é referência para garotas mais novas que também querem atuar na mesma área. E ela traça planos futuros: se firmar como atriz e cantora. “Estamos investindo em aulas de atuação e canto. Quem sabe? Digo para ela nunca desistir de que nada é impossível”, aposta Rubia, que mora com a filha em Curitiba.

Fonte: PEGN

 


Categorias desse artigo:
Boas Práticas de DiversidadeDiversidade e InclusãoFique por DentroPessoas com deficiência